iG Comida- Dicas de pratos, refeições, receitas e onde comer bem

Colunistas

enhanced by Google
 

Quitutes e quitandas

Ingredientes, receitas e curiosidades

Guta Chaves é jornalista, escritora e professora. É co-autora da Larousse da Cozinha Brasileira e Gastronomia no Brasil e no Mundo, da editora SENAC

A eletrizante vitamina de guaraná

Aprenda um pouco sobre a lenda dessa fruta amazônica e confira receitas que dão energia para o dia inteiro

17/10/2011 07:00

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A-
Compartilhar:

Foto: SXC

O fruto do guaraná age como forte estimulante

O guaraná é uma fruta tão lendária quanto popular. Basta lembrar que ela dá origem a um dos refrigerantes mais consumidos do Brasil, lançado em 1921, elaborado com o extrato vegetal desse produto genuíno da Amazônia. E também é um tônico estimulante poderoso, capaz de emprestar energia a quem julgava perdida a batalha de um dia cheio.

Nossos indígenas usavam o guaraná há muitos e muitos anos. Tanto que o nome vem do tupi wara’ná: guará na língua nativa significa "o que tem vida, gente”, e ná quer dizer “semelhante”. Na tradução literal seria “bagos iguais a olhos de gente", mas muitos o chamam de “grande cipó da floresta amazônica”.

Leia também:
sucos para espantar a preguiça

Foto: Luna Garcia / Divulgação Ampliar

Vitamina energizante feita do fruto brasileiro

Uma das lendas do Amazonas diz que um casal de índios de tribos inimigas se apaixonou perdidamente e resolveu fugir, mas foi atingido por um raio e morreu entrelaçado. Dos olhos da índia da tribo Maués nasceu uma planta que, ao amadurecer, deu origem ao fruto do guaraná, cujo formato lembra o olho humano. Esta versão tupiniquim de “Romeu e Julieta” é uma das lendas encenadas durante a Festa do Guaraná, que se realiza no mês de novembro, na cidade de Maués.

Siga o iG Comida no Twitter e no Facebook

A planta era encontrada em estado silvestre no Amazonas. Hoje, é também cultivada e, por isso, a região tem trabalhado no desenvolvimento da indicação geográfica ligada ao povo indígena Maués. Para produzir o bastão do guaraná, mais tradicional, eles colocam os grãos em estantes, dentro de uma pequena casa de madeira fechada, com fogo enterrado embaixo. Depois de secos, são torrados para a retirada da casca e, em seguida, prensados. Nesse formato, ele é pouco encontrado no resto do País. No Brasil inteiro, porém, é possível comprar o pó e o xarope de guaraná.

Confira as receitas:
Guaraná com castanha, limão e mel
Guaraná com abacate e acerola
Sorvetaço
Guaraná com vodca e suco de laranja

Quem me contou sobre essa rica cultura, na minha recente viagem para Manaus, foi Fábio Silva, chef e guia de turismo. Entre as pessoas que conheço, é um dos que mais entende da cultura amazônica, uma verdadeira enciclopédia viva sobre o tema.

Claro que Fábio me levou para tomar uma tradicional vitamina, bem no centro da capital do Amazonas, no Ponto do Guaraná. Eu pedi uma mistura com castanha-do-brasil, mel e limão e comprovei: é realmente energizante. Fiquei com uma bela disposição para seguir a jornada.

Veja também:
açaí na cuia e na tigela

Segundo Fábio, há quase tantas vitaminas quanto amazonenses. “As casas de guaraná existem há muito”, diz. “Não existem receitas fixas e tradicionais, pois o manauara cria combinações todos os dias.” O chef conhece pessoas de quase 100 anos que tomam vitaminas de guaraná até hoje.

Assim, fazem sucesso também guaraná com abacate e acerola, o guaraná com mangarataia, planta local que julgam ser afrodisíaca. E o guaraná com vodka e suco de laranja, que fazia parte do cardápio de drinks do Paulo's Bar, celeiro de musica popular amazonense nos anos 80. Ah, ainda tem a combinação criada pelo Fábio, um super sorvete, coberto com xarope e pó de guaraná. Vale conferir essas receitas revigorantes. Bom apetite e muita energia!

A jornalista viajou à Amazônia para a produção do livro Brasil, Histórias de Sabores (ed. Bellini Cultural)

Veja também: a culinária da Região Norte brasileira

 

Sobre o articulista

Guta Chaves - gutachaves@gutachaves.com.br - Guta Chaves é jornalista e escritora na área de gastronomia. É co-autora dos livros Larousse da Cozinha Brasileira e Gastronomia no Brasil e no Mundo, da editora SENAC

» Mais textos deste articulista

    Notícias Relacionadas


    Nenhum comentário. Seja o primeiro.


    Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!




    *Campos obrigatórios

    "Seu comentário passará por moderação antes de ser publicado"

    Ver de novo